12ª CINEBH TRAZ O CINEMA DO MUNDO PARA A CAPITAL MINEIRA, DESTACA A PRODUÇÃO DA AMÉRICA LATINA E RECEBE REPRESENTANTES DA INDÚSTRIA INTERNACIONAL

Evento acontece de 28 de agosto a 2 de setembro com programação gratuita em seis espaços culturais de Belo Horizonte e sedia o 9º Brasil CineMundi, o evento de mercado do cinema brasileiro, que recebe 23 convidados internacionais da indústria audiovisual de 12 países

Em sua 12a edição, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte acontece entre os dias 28 de agosto e 2 de setembro, com exibição de filmes e realização de diversas outras atividades em seis espaços culturais da capital mineira – Fundação Clóvis Salgado/Palácio das Artes, Sesc Palladium, Cine Theatro Brasil Vallourec, Teatro Sesiminas e MIS Cine Santa Tereza. O evento traz também uma novidade: o retorno à Praça Duque de Caxias, no tradicional bairro de Santa Tereza, onde o evento nasceu, em 2007, com a instalação de um cinema ao ar livre, o Cine Sesc na Praça.

Em seis dias de programação gratuita, a mostra vai exibir 75 filmesnacionais e internacionais, em pré-estreias e retrospectivas (27 longas, 03 médias e 45 curtas-metragens) e 44 sessões de cinema. Serão títulos de 13 estados brasileiros (BA, CE, DF, ES, GO, MG, RJ, SP, PB, PE, PR, RS e SC) e 13 países – Alemanha, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Cuba, EUA, México, Portugal, Qatar, República Dominicana e Uruguai.

A abertura da 12ª CineBHacontece no dia 28, às 20h, no Cine Theatro Brasil Vallourec, com a pré-estreia nacional de Sol Alegria, segundo longa-metragem do paraibano Tavinho Teixeira e participação do cantor e ator Ney Matogrosso, presente na sessão. Será dedicadatambém a apresentar a temática central deste ano, “Pontes Latino-americanas”, e homenagear a produtora argentina El Pampero Cine, uma das mais importantes iniciativas do meio audiovisual latino nos últimos anos.

Integra também a programação da 12ª Mostra CineBH, o Brasil CineMundi – 9th International Coproduction Meeting, importante evento de mercado do cinema brasileiro realizado no país. A Mostra se completa com debates, painéis, rodas de conversa, masterclass, oficinas, Mostrinha, sessões cine-escola e atrações artísticas.

“A Mostra CineBHé o evento de cinema da capital mineira. Um espaço de formação, intercâmbio, lançamento e discussão da mais significativa produção cinematográfica atual. A cada edição renova seu compromisso de estabelecer diálogo entre as culturas, ampliar as oportunidades de negócios para o cinema brasileiro e promover a conexão de profissionais com o mercado audiovisual em intercâmbio com o mundo”, destaca Raquel Hallak, coordenadora geral do evento.


TEMÁTICA E HOMENAGEM

Definida pelo trio de curadores de longas-metragens, Francis Vogner dos Reis, Pedro Butcher e Marcelo Miranda, a temática da 12ª CineBH será “Pontes Latino-americanas”. O propósito será exibir, discutir e questionar a produção na América Latina ao longo dos anos, a partir de uma produção que se preocupou em levar às telas, em temas ousados e formas inventivas, a própria condição de continente periférico e colonizado. “A temática surgiu primeiramente porque, há cinco décadas, o cinema latino-americano chegou ao seu auge, com proposições radicais de vários países e nomes que se tornaram fundamentais desde aquela época”, diz Francis Vogner, que continua: “Existiu um diálogo entre as nações, em especial as de língua espanhola, que foi se alterando e desaparecendo ao longo dos anos. Na América Latina, hoje, por mais que partilhemos historicamente diversos aspectos políticos e sociais, os cinemas, em cada país, são formalmente muito diferentes. É importante criarmos pontes para dialogarmos uns com os outros”.

Dentro dessa perspectiva, a produtora argentina El Pampero Cine foi escolhida como destaque internacional. Fundada em 2002 por Mariano Llinás, Laura Citarella, Agustín Mendilaharzu e Alejo Moguilansky, a produtora independente se consolidou como uma das mais notáveis iniciativas do continente, propondo novos modelos de realização. “A El Pampero apareceu na contramão da produção mais industrializada na América Latina e também de maior penetração internacional, que é a da Argentina”, afirma Francis Vogner. “O grupo, porém, segue caminho inverso ao que se vê em seu país. Seus realizadores negam os meios tradicionais de financiamento e de sistema de produção e distribuição”. Outro curador, Pedro Butcher, completa: “Ter a El Pampero na CineBH é o reconhecimento de algo novo que está acontecendo neste exato momento no cinema latino-americano e que propõe uma intervenção singular em etapas normalmente frágeis nas nossas realizações”.

A produtora será representada, no evento, pela diretora Laura Citarella, uma das integrantes da El Pampero Cine. Ela será responsável por ministrar uma masterclass e acompanhar a exibição de dois títulos do grupo: La Mujer de los Perros (2015), dirigido pela própria Citarella; e a pré-estreia brasileira de La Flor, mais recente trabalho da El Pampero, dirigido por Mariano Llinás, premiado na última edição do Bafici (Argentina) e também selecionado para o Festival de Locarno 2018. Com quase 14 horas de duração, o filme será dividido em três sessões ao longo da mostra.

Integramainda a Mostra  “Pontes Latino-americanas” os longas contemporâneos La Telenovela Errante (Raúl Ruiz e Valéria Sarmiento, Chile, 2017), Antígona (Pedro González-Rubio, México, 2018) e Cocote (Nelson Carlo de los Santos Arias, República Dominicana/Argentina, 2017); e os curtas/médias históricos Agarrando Pueblo - Vampiros da Miséria (Carlos Maiolo e Luis Ospina, Colômbia, 1977), Revolución (Jorge Sanjinés, Bolívia, 1963), Me matan si no trabajo y si trabajo me matan (Raimundo Gleyzer, Argentina, 1974), Me Gustam los Estudiantes (Mario Handler, Uruguai, 1968), BláBláBlá (Andrea Tonacci, Brasil, 1971), La Isla del tesoro (Sara Gomez, Cuba, 1969) e Cómo, Por Qué y Para Qué se asesina a un General (Santiago Álvarez, Cuba, 1971).

A Mostra Diálogos Históricos,também inserida na temática central, contará com a participação dos críticos e pesquisadores João Luiz Vieira (Brasil) e Roger Koza (Argentina), que escolheram três filmes a serem debatidos logo após as exibições. Koza selecionou Pajarito Goméz (Rodolfo Kuhn, Argentina, 1965); e João Luiz optou por Carnaval Atlântida (José Carlos Burle e Carlos Manga, Brasil, 1952) e Vítimas do Pecado (Emilio Fernández "Indio", México, 1950).


PRÉ-ESTREIAS NACIONAIS E INTERNACIONAIS E MOSTRAS TEMÁTICAS

A Mostra Contemporânea da 12ª CineBH tem este ano alguns destaques brasileiros e internacionais em pré-estreia na cidade. Do Brasil, estão as produções mineiras Espera, de Cao Guimarães, e Baixo Centro, de Samuel Marotta e Ewerton Belico; o capixaba A Mata Negra, de Rodrigo Aragão; e o baiano Abaixo a Gravidade, de Edgard Navarro. Entre os títulos estrangeiros, haverá exibições de Tempo Comum (Portugal), de Susana Nobre; ClassicalPeriod (Alemanha), de Ted Fedt; e Black Mother (EUA), de KhalikAllah.

Na Mostra CineMundi, serão exibidos dois longas brasileiros que participaram de edições anteriores Brasil CineMundi e conseguiram realizar seus projetos em coproduções internacionais: Ferrugem, de Aly Muritiba, e Benzinho, de Gustavo Pizzi.

Com curadoria de Paula Kimo, a Mostra A Cidade em Movimento, criada em 2016 para abarcar os discursos criativos e produtivos de temas pungentes e urgentes de Belo Horizonte e região, traz para esta edição da CineBHa temática “Deslocamentos Cotidianos”. Odestaque desta ediçãoé a cidade em seu movimento constante, habitual, que a mantém viva, tanto do ponto de vista das suas potências, quanto em relação às suas fragilidades.

O objetivo é refletir o lugar da câmera na produção da memória social, cultural e política, em filmes que se interconectam em espaços reais e virtuais e migram das ruas às telas do cinema, das redes sociais para a sala escura, das periferias ao centro da metrópole. Em cinco sessões temáticas, serão apresentados 16 filmes (13 curtas, 2 médias e um longa-metragem). Após a exibição serão realizadas Rodas de Conversa com os representantes dos filmes e convidados. A programação da Mostra A cidade em Movimento será realizada no Cine Sesc Palladium – Sala Prof. José Tavares de Barros e no foyer do Palladium da Rua Augusto de Lima.

Na seleção de curtas-metragens que integra a Mostra Contemporânea,assinada pelo curador Pedro Maciel Guimarães, serão exibidos18 filmes de nove Estados (MG, GO, RJ, ES, CE, PE, SP, RS e DF). “Neste ano, temos curtas que reverberam posições estéticas da atualidade: como se posicionar criticamente face a acontecimentos do mundo contemporâneo; como ocupar o espaço urbano afetado por remoções compulsórias; como lidar com questões de autoafirmação; como retrabalhar códigos de gêneros em narrativas curtas”, destaca.


RETORNO À PRAÇA DE SANTA TEREZA | CINE SESC NA PRAÇA

A Praça Duque de Caxias foi onde o evento nasceu e onde teve sede entre 2007 e 2011, com exibições ao ar livre, e no antigo Cine Santa Tereza, hoje transformado no Museu da Imagem e do Som. Este ano, o local voltará a receber a instalação de um cinema ao ar livre, com plateia de 530 lugares, o Cine Sesc na Praça.

No coração do bairro Santa Tereza, acontece a segunda edição dos Clássicos na Praça. Serão quatro títulos de grande apelo histórico e nostálgico exibidos ao ar livre. Os filmes selecionados estão todos em ano comemorativo de seus lançamentos originais e resgatam o aspecto lúdico de se assistir a um grande entretenimento num espaço público. Serão apresentados: Superman – O Filme (Richard Donner, 1978); O Submarino Amarelo (George Dunning, 1968); Os Embalos de Sábado à Noite (John Badham, 1978) e Corra que a Polícia Vem Aí! (David Zucker, 1988).

No fim de semana, dias 1 e 2 de setembro, além da exibição de filmes, a Praçaserá palco também de apresentações artísticas – shows, teatro de rua e intervenções circenses que prometem agitar o tradicional bairro de Santa Tereza.


BRASIL CINEMUNDI – O EVENTO DO MERCADO DO CINEMA BRASILEIRO

Em sua 9a edição, o Brasil CineMundi – International Coproduction Meeting vai reunir dezenas de profissionais do audiovisual que vêm exclusivamente ao Brasil para participar do evento, associarem-se a futuros projetos de cinema brasileiro em longa-metragem e conhecer parte da nossa produção. Estarão presentes 23 convidados da indústria audiovisual mundial de 12 países: Alemanha, Argentina, Brasil, Chile, Cuba, Espanha, EUA, França, Itália, Noruega, Suíça e Uruguai.

Um total de 20 projetos foram selecionados para encontros com coprodutores durante o Brasil CineMundi, distribuídos em três categorias: CineMundi (10), DocBrasil Meeting (5) e Foco Minas (5). Os projetos são oriundos de sete estados brasileiros, tendo presença de Minas Gerais (8), São Paulo (4), Rio de Janeiro (3), Bahia (2), Espírito Santo (1), Goiás (1) e Pernambuco (1).

Na noite de 2 de setembro, às 19h30, no MIS Cine Santa Tereza, acontece o encerramento do Brasil CineMundi 2018, quando o júri (composto por três profissionais da área) anunciará o melhor projeto de longa brasileiro em fase de desenvolvimento da categoria CineMundi. O vencedor leva o Troféu Horizonte, materiais e serviços oferecidos pelas empresas parceiras e vaga para o produtor marcar presença em no evento parceiro Ventana Sur, na Argentina. Além disso, um representante do TorinoFilmLab irá selecionar um produtor de um projeto da Categoria CineMundi que terá direito a uma vaga para participar do laboratório internacional na Itália. Será ainda oferecido o Prêmio Itamaraty, com oferta de passagens aéreas para produtores participarem desses eventos internacionais parceiros.

Nas outras categorias, um representante do DocMontevideo irá selecionar um projeto da seção Doc Brasil Meeting para participar da próxima edição do eventono Uruguai e também receber premiação em materiais e serviços oferecidos pelas empresas parceiras. Já na categoria Foco Minas, um representante do DocSP irá selecionar um projeto de documentário para participar da próxima edição do evento em São Paulo e um convidado internacional irá eleger um projeto mineiro que será o vencedor para a receber premiação em materiais e serviços oferecidos pelas empresas parceiras.


PROGRAMA DE FORMAÇÃO AUDIOVISUAL

Integra a programação da 12ª Mostra CineBH e do 9º Brasil CineMundi – Encontro Internacional de Coprodução e tem o propósito de fornecer ferramentas conceituais e práticas para capacitação de profissionais, troca de experiências entre diferentes agentes do setor audiovisual, ao mesmo tempo, que propõe gerar  intercâmbio, promover encontros, diálogos, discussões e estabelecer redes de contato e conexões globais com foco no mercado audiovisual.

Nesta edição, o programa reúne 30 profissionais brasileiros e estrangeiros de destaque na cena audiovisual no centro de cinco debates, quatro painéis, uma masterclass e quatro oficinas. Eles apresentam ao público suas experiências, interfaces e atuações com foco no mercado audiovisual e as relações com o setor, destacando as experiências em coprodução na América Latina e na Europa, fundos de investimentos, estratégias de distribuição e lançamento de filmes, painéis representativos de várias instituições e programas internacionais com foco no investimento e atuações de intercâmbio e cooperação, objetivando apresentar as oportunidades de negócios e parcerias. Estimula a troca de conhecimentos, apresenta as tendências e busca o fortalecimento da atuação dos profissionais do setor num mundo cada vez mais globalizado.

O interessados em participar das atividades de formação devem se inscrever pelo site www.cinebh.com.br até 16 de agosto. As inscrições são gratuitas e as vagas, limitadas.


CINEMA PARA TODA FAMÍLIA

Com objetivo de formar novas audiências e inserir as famílias e as crianças na programação de cinema, a 12ª CineBH promove a Mostrinha, acreditando na importância de investir no olhar de jovens plateias, que serão os espectadores do cinema brasileiro do futuro. Em 2018, serão exibidos seis filmes, sendo quatro curtas no Cine Sesc Palladium, às 10h, no dia 01 de setembro, e dois longas-metragens, nos dias 01 e 02 de setembro, no MIS Cine Santa Tereza, sempre às 16h30: O Colar de Coralina, de Reginaldo Gontijo, com Letícia Sabatella no elenco; e Sobre Rodas, de Mauro D’Áddio da Silva, protagonizado por Lara Boldorini.

Outra atividade de formação na Mostra é o Cine Expressão – A Escola vai ao Cinema, programa que une as linguagens cinema e educação e irá atender estudantes e educadores da rede de ensino com uma programação especial. Ao todo serão promovidas seis sessões de cinema que visam beneficiar mais de 3.000 alunos. Participam das sessões da Mostrinha e Cine-Escola o Palhaço Sufoco e os personagens da Turma do Pipoca.


CENTRAL DO CINEMA - NOVO ESPAÇO DA MOSTRA CINEBH 

Outra novidade desta edição é instalação da Central do Cinema – espaço cenográfico planejado para receber as instalações da Tenda Brasil CineMundi, do Programa de Formação Audiovisual, Salas de coordenação, logística e de imprensa, Cine-Café, Cine-Loja, Espaço de Convivência, Agenda de Relacionamento, Cine-Concerto e o Cine-Lounge, que irá sediar a programação de rodas de conversa, shows e videoarte, com a participação de cineastas, produtores, atores e convidados especiais. Integra também o espaço o Cine Humberto Mauro – tradicional sala de cinema da capital mineira dedicada à programação de filmes autorais e temáticos.