Abertura da 11ª Mostra CineBH e do 8º Brasil CineMundi tem performance audiovisual, homenagem a Pierre Léon e exibição de "Corpo Elétrico"

Cerimônia começa às 20h, no Cine Theatro Brasil Vallourec, com entrada franca; evento tem programação gratuita e segue até dia 27 de agosto em 10 espaços da capital mineira

8o Brasil CineMundi, evento de mercado do cinema brasileiro, apresenta 22 projetos de longas brasileiros para 25 representantes da indústria audiovisual mundial interessados em coproduzir com o Brasil

A 11ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte abre a temporada audiovisual na capital mineira, nesta terça-feira, dia 22 de agosto, às 20horas, no Cine Theatro Brasil Vallourec, com apresentação da atriz Lira Ribas, performance audiovisual dirigida por Chico de Paula e Grazi Medrado,  trilha ao vivo do músico G.A. Barulhista e participações do Mc Douglas Din, do Duo Paralelo (Marise Dinis e Ailtom Gobira), do grupo de passinho do Aglomerado da Serra Passistas Dancy (Lá da Favelinha) e intervenção em videográfica da NAV Filmes.  

Durante a noite de abertura serão prestadas homenagens ao crítico, ator e cineasta francês Pierre León que vem ao Brasil pela primeira vez e terá uma retrospectiva de sua obra na programação da 11ª Mostra CineBH com exibição de 14 filmes, quase todos inéditos no país. Em seguida, será exibido em pré-estreia em Minas Gerais, o filme “Corpo Elétrico”, primeiro longa-metragem do mineiro Marcelo Caetano. Nessa ficção, acompanhamos Elias, jovem trabalhador que divide seu tempo entre o ofício numa pequena empresa e as noitadas regadas à bebida, gargalhadas e sexo com amigos e parceiros.

Dez espaços serão ocupados pela 11ª CineBH: Cine Theatro Brasil Vallourec, Sesi Museu de Artes e Ofícios, Cine Humberto Mauro, Teatro Sesiminas, Sesc Palladium, , MIS Cine Santa Tereza, CentroeQuatro Centro Cultural, Praça Duque de Caxias e a Serraria Souza Pinto e Praça da Estação numa parceria com a MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo promovida pela Codemig/Governo de Minas Gerais, Sesi Fiemg e Sebrae, recebe a inédita montagem de um cinema ao ar livre com exibição de clássicos do cinema. Toda programação oferecida gratuitamente ao público.

“O público de BH vai sentir o audiovisual por toda parte. Imagens que fazem história, registram o presente e lançam o futuro. Uma temporada de formação, debates, negócios, diversidade e muitos filmes que fazem emocionar”, adianta a coordenadora da Mostra e diretora da Universo Produção, Raquel Hallak.
Tudo com entrada franca. 

Ainda na noite de terça-feira, para marcar a abertura da MAX – Minas Gerais Audiovisual Expo, que acontece na Serraria Souza Pinto simultaneamente a 11ª Mostra CineBH, será exibido, às 19h, na Praça da Estação, “O Garoto”, (1921) e uma das grandes obras-primas do cinema, com direção e atuação de Charles Chaplin. A sessão será acompanhada pela Orquestra de Câmara Sesiminas, que executará a trilha sonora do filme ao vivo, numa versão recriada especialmente para o evento. A Orquestra, que completou 30 anos de atividades em 2016, incluiu algumas das mais belas obras de seu repertório como fundo musical do clássico de Chaplin. Foram selecionados trechos de grandes compositores como Brahms, Dvorak, Strauss, Puccini, Grieg, Carlos Gomes e Alberto Nepomuceno, entre outros.

De 22 a 27 de agosto, a 11ª Mostra CineBH vai exibir 101 filmes nacionais e internacionais em 60 sessões de cinema, com pré-estreias e retrospectivas: 41 longas, 1 média e 59 curtas-metragens, vindos de 16 países (Brasil, França, Reino Unido, Estado Unidos, Portugal, Senegal, Alemanha, Japão, China, Rússia, Áustria, Líbano, Síria, Emirados Árabes, Qatar e Tailândia) e de seis estados brasileiros (MG, GO, RJ, SP, RS e PR).

A temática central desta edição, definida pelo trio de curadores Francis Vogner dos Reis, Marcelo Miranda e Pedro Butcher, é o Cinema de Urgência, proposta surgida a partir das reações cinematográficas às recentes instabilidades políticas e econômicas que se abateram sobre o Brasil nos últimos três anos. O objetivo é compartilhar com público, cineastas, produtores, críticos e jornalistas as inquietações de um tempo histórico cuja velocidade dos acontecimentos muitas vezes atropela a percepção dos fatos. A programação do festival tem filmes com a urgência de se levar a câmera para as ruas e registrar/participar dos acontecimentos, para depois ir contra a corrente dos fluxos narrativos dominantes na grande mídia.

* TODA PROGRAMAÇÃO É OFERECIDA GRATUITAMENTE AO PÚBLICO

Foto: Divulgação/ Corpo Elétrico