02/11 | segunda | 15h

Em 2017, Meu Nome É Bagdá fez uma bela passagem pelo encontro de coprodução Brasil CineMundi, quando ainda era um projeto embrionário e atendia pelo nome de Bagdá – Cenas do Cotidiano. Três anos depois, o filme de Caru Alves de Souza está de volta ao CineMundi e à CineBH, depois de um lindo nascimento, em fevereiro, na mostra Generation 14 Plus do Festival de Berlim, onde venceu o Grande Prêmio da categoria, conferido pelo júri oficial. O Festival de Berlim terminou no dia 1º de março, pouco depois de a OMS confirmar o status de pandemia mundial da Covid-19, interrompendo uma trajetória que se antevia brilhante. Um novo desafio se impôs à realizadora e aos produtores: repensar os caminhos do filme, diante da realidade do fechamento das salas e dos desdobramentos da necessidade prolongada do isolamento social. Neste Estudo de Caso, vamos conhecer as alternativas e saídas da produção do filme para não interromper a trajetória de sucesso.

 

Convidadas:

Caru Alves de Souza – diretora

Rafaella Costa – produtora

 

Mediador: Pedro Butcher – curador CineBH e colaborador Brasil CineMundi