02/11 | segunda | 19h

Reunindo filmes dão a ver ritos, afetos e gestos de resistência e expressão da negritude, a sessão nos convida a pensar sobre as poéticas produzidas no âmbito do cinema negro belorizontino. Ademais, celebra e reverbera a luta do Quilombo Souza,  situado  no  Bairro Santa Tereza.

 

Integrantes da roda de conversa:

Josi Félix (co-diretora), KILOMBO SOUZA – MEMÓRIA, HISTÓRIA E RESISTÊNCIA | Mel Jhorge (diretora), CORAGEM! | Catapreta (diretor), CALMARIA

 

Participação especial: Maya Quilolo – antropóloga, mestre em comunicação e realizadora audiovisual

Nascida em no encontro do rio Araçuaí com o Rio Jequitinhonha em Minas Gerais, Maya Quilolo carrega no corpo as cores branca: sinal erguido pelo povo bantu no Quimbundo Rosário; e vermelha: preto índio caboclo de sua avó e de sua mãe. Antropóloga (UFMG), mestre em Comunicação (UFRB) e realizadora audiovisual (OI!KABUM). Atua no entrocamento entre artes da performance, artes visuais, cinema e diversidade cultural.

 

Mediador: David Maurity – ator, apresentador e dramaturgo