31/10 | sábado | 17h

O ano de 2020 tem sido um desafio para o Brasil. Em meio à institucionalização do ódio por um governo de direita e a chegada avassaladora de uma pandemia, o audiovisual muitas vezes é a resposta mais urgente que os artistas conseguem dar à complexidade dos tempos atuais. Seja dentro de casa, diante do noticiário cada vez mais surreal ou intervindo diretamente na paisagem urbana, o que os realizadores desta conversa propõem é a perturbação dos tempos e dos espaços. Vamos saber como eles se dispuseram a olhar além de suas janelas (interiores ou exteriores) e arriscarem colocar suas expressões imediatas nesse mundo louco.

 

Convidados:

Alexandre Salomão – diretor do filme Corpo Monumento

Beatriz Saldanha – diretora do filme Do pó ao pó

Eduardo Camargo – diretor do filme Eu Sou a Destruição

 

Mediação: Marcelo Miranda – curador CineBH