CINEASTAS FALAM SOBRE COMO REPETIÇÕES E CICLOS DA PANDEMIASE TRANSFORMAM EM EXPRESSÃO CRIATIVA

20211003 – 15» CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte – Brasil Cinemundi – 12th International Coproduction Meeting – Roda de Conversa: Singular – Foto: Reprodu‹o/Universo Produ‹o

Na noite de domingo (3/10), a 15a CineBH realizou a última Roda de Conversa da mostra “A Cidade em Movimento”, com o tema “Singular” e participação de Wend Fernandes (“Coletivo”), Guilherme Jardim e Vinicius Fockiss (“Dois”), Larissa Muniz (“Eu Vi nos seus Olhos, da Janela, Eu Vi, que Era o Fim), Kelly Crifer e Thiago Monteiro (“Escorre”) e Samuel Quintero (“Urdido”). A mediação foi da curadora Paula Kimo.

A partir de universos particulares, das pessoas e seus modos e meios de vida, para dizer de um lugar também comunitário, a sessão foi comentada pela pesquisadora Carla Italiano. Ela exaltou os curtas-metragens desse recorte por saírem dos lugares-comuns e “sacudir o espectador no contexto pandêmico”. “São filmes que nos levam para vários lugares e desejos”, disse ela. Um dos pontos de relação apontados para o conjunto de trabalhos foi o contraponto entre o que está num universo pessoal e íntimo e o que está na vida pública, de uma certa ideia de coletivo e comunidade, ideias desafiadoras e sempre por se fazer de maneira diferente para cada uma das pessoas”.

Apesar de não todos os filmes estarem diretamente lidando com o isolamento provocado pela pandemia, o conjunto propõe novas relações com o tempo e com suas próprias apreensões e reconfigurações dos espaços. “Cada um ao seu modo vai convocar e explicitar uma condição de experiência pessoal a conduzir essas narrativas, colocando em cena corpos e vozes de quem assina a realização dos filmes, em perspectivas muito subjetivas”, apontou Carla Italiano.

A atriz e diretora Kelly Crifer, de “Escorre”, comentou que o processo de seu filme tem o desejo de “criar escorrendo”. “Primeiro teve eu, como mulher em casa com a ânsia do encontro, e passei a olhar outros corpos presos transbordando questões muito humanas e potentes. Então veio o processo de transformar a mim mesmo e fui filmando essa caixa de desejos interrompidos que veio com a pandemia”.

Larissa Muniz, diretora de “Eu Vi nos seus Olhos, da Janela, Eu Vi, que Era o Fim”, narrou processo semelhante, em especial ao se deparar com imagens inicialmente livres que poderiam se tornar uma forma de expressão. “Tem a ver com o contexto de pandemia, mas também com a própria proposta desses filmes, que é a de encontrar uma ficção a partir desse material aparentemente aleatório, que tem alguma coisa, tem uma narrativa impressa ali”. No caso de seu filme, ela tentou trazer ares de ficção científica a partir de registros de caminhões-tanque vistos no seu cotidiano em trânsito. “É fabricar um outro mundo a partir da desnaturalização do que está impresso na imagem e não deveria estar ali”.

Ao se despedir da mostra “A Cidade em Movimento” desse ano, a curadora Paula Kimo exortou a todos e todas “seguirem nas singularidades e nos transbordamentos possíveis”, seguindo criativamente nas possibilidades de construir novos mundos.

SOBRE A MOSTRA CINEBH

Com edições anuais e consecutivas, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, o evento de cinema da capital mineira, chega a sua 15a edição de 28 de setembro a 03 de outubro de 2021, em formato online e gratuita, reafirmando seu propósito de mostrar o cinema para o mundo, promover o diálogo entre as culturas, aproximar povos e continentes, fazer a conexão do cinema brasileiro com o mercado audiovisual, realizar encontros de negócios, investir na formação, intercâmbio e cooperação internacional, construir pontes nas escolas, comunidades, redes sociais e com a cidade de Belo Horizonte e Minas Gerais.

A 15a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte e o 12o Brasil CineMundiintegram o Cinema sem Fronteiras 2021 – programa internacional de audiovisual idealizado pela Universo Produção e que reúne também a Mostra de Cinema de Tiradentes (centrada na produção contemporânea, em janeiro) e a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto (que difunde o audiovisual como patrimônio e ferramenta de educação, em junho).

SERVIÇO

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

ESTE EVENTO É REALIZADO COM RECURSOS DA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DE BELO HORIZONTE

PATROCÍNIO: MATER DEI, COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PATROCÍNIO MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO: patrocinada com recursos do Fundo Internacional de Ajuda para Organizações de Cultura e Educação 2021 do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV, FORTE FILMES, NAYMOVIE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND(Alemanha), NUEVAS MIRADAS – EICTV(Cuba), BIOBIOCINE(Chile), CONECTA – CHILE DOC(Chile),  MAFF(Espanha), DOCSP(Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR(Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH / PROJETO PARADISO(Brasil)

APOIO: CAFÉ 3 CORAÇÕES.

REALIZAÇÃO: UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO| GOVERNO FEDERAL