CONFIRA O QUE ROLOU NO BATE-PAPO COM OS DIRETORES DA SESSÃO DE CURTAS BRASIL DE AGORA

Na tarde desta quinta-feira, 29 de setembro, a 15a CineBH promoveu a primeira Roda de Conversa da série  Encontro com os Realizadores. Participaram do bate-papo os diretores da sessão de curtas Brasil de Agora, da Mostra Contemporânea: JEAN, cineasta do filme “Afetadas” | PE; Thiago Foresti, cineasta do filme “Algoritmo” | DF; Ian Capillé, cineasta do filme “Bicho” | RJ e Victor Hugo Fiúza, cineasta do filme “Medo da Chuva em Noite de Frio | RJ”. A mediação foi da crítica de cinema Maria Trika| MG.

Para começar essa conversa bem descontraída, Maria Trika se disse bastante feliz por ter tido contato com produções tão surpreendentes. “Essa sessão está lidando com posições políticas, mas também traz diferentes dimensões de como a esfera política atravessa lugares mais subjetivos, sobre afetos e sobre o cotidiano. São quatro filmes muito diferentes e que trazem universos muito particulares”, afirmou.

Questionados sobre como foi encarar a linguagem e chegar ao resultado visto nos filmes, os diretores expressaram trajetórias bem distintas. JEAN recordou que foi um processo muito contrário de uma produção comum, pois ele só entendeu que estava fazendo um filme vendo as imagens, já na metade do caminho. “Foi muito doido como esse filme se formou. Este é meu primeiro curta e eu não sabia o que estava filmando, porque a tela da minha câmera estava quebrada. No começo, as pessoas pousavam, achavam que eu estava fazendo fotos. Com o tempo, foram se acostumando comigo e com a presença da câmera, não se sentiam mais intimidadas passaram a se comportar de forma bastante espontânea”.

Para JEAN, “Afetadas” é algo como um documentário ficcional. “Busquei fugir dos parâmetros, do enquadramento perfeito. Fui seguindo o meu feeling para descobrir o que estava fazendo e aonde podia chegar. Minha intenção era fugir do documentário tradicional. O que fiz foi pegar um registro da vida real e lidar de forma idealizada, meio utópica, com essas relações, para que elas pudessem acontecer perfeitamente e mostrar essa rede de afeto que é muito potente”.

Já a experiência de Thiago Foresti, com “Algoritmo”, foi completamente inversa. “Fiz o roteiro e tinha uma ideia bem clara na cabeça. Meu maior desafio foi comunicar minha ideia para as pessoas”. O cineasta comentou que inicialmente ficou inseguro se a linguagem e a estética escolhidas iam funcionar. “É um curta realizado praticamente sem orçamento, todo filmado pelo celular. Mas o resultado foi muito bacana, ficou muito bom”. Thiago busca agora recursos para transformar “Algoritmo” em uma produção mais longa, como uma série. “O filme gerou muito debate e criatividade na equipe. Estamos pensando em desenvolver esses personagens em uma trama mais complexa”.

O cineasta Victor Hugo Fiúza, esclareceu que “Medo da Chuva em Noite de Frio” começou a ser filmado nas manifestações que antecederam a eleição de 2018. “O curta tenta se aproximar e entender o lugar das relações afetivas, onde por esse momento político acontece e o filme partiu de um incurso disso. Levamos uma atriz para as manifestações e, a partir desse momento, passamos um longo processo para entender o que queríamos falar. Todos os caminhos que o filme explora foram as soluções que buscamos para entender esse lugar complexo das afetividades. É como se a gente tentasse usar todas as linguagens possíveis para falar da dor e o que ela significa”.

De acordo com o diretor, o curta está nesse lugar de reconhecer a fratura. “Durante as filmagens, encontramos esse sentimento generalizado, de uma distância onde o diálogo não é mais possível, é uma ideia já fadada ao fracasso por causa das diferenças políticas. Neste sentido, nos preocupamos em como enquadrar esses sentimentos, esses silêncios, essa comunicação truncada. Em mostrar em algo que não consegue ser expressado em palavras”.

Ao final da Roda de Conversa, os participantes ressaltaram a importância das artes e do cinema em especial, principalmente neste momento sombrio em que estamos vivendo no país. “Precisamos pensar o cinema como uma estratégia de encontro. Atualmente, nossos trabalhos devem funcionar como um lugar de encontro com o outro, um espaço em que o encontro ainda é possível”, salientou Victor Fiúza.

SOBRE A MOSTRA CINEBH

Com edições anuais e consecutivas, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, o evento de cinema da capital mineira, chega a sua 15a edição de 28 de setembro a 03 de outubro de 2021, em formato online e gratuita, reafirmando seu propósito de mostrar o cinema para o mundo, promover o diálogo entre as culturas, aproximar povos e continentes, fazer a conexão do cinema brasileiro com o mercado audiovisual, realizar encontros de negócios, investir na formação, intercâmbio e cooperação internacional, construir pontes nas escolas, comunidades, redes sociais e com a cidade de Belo Horizonte e Minas Gerais.

A 15a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte e o 12o Brasil CineMundiintegram o Cinema sem Fronteiras 2021 – programa internacional de audiovisual idealizado pela Universo Produção e que reúne também a Mostra de Cinema de Tiradentes (centrada na produção contemporânea, em janeiro) e a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto (que difunde o audiovisual como patrimônio e ferramenta de educação, em junho).

SERVIÇO

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

ESTE EVENTO É REALIZADO COM RECURSOS DA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DE BELO HORIZONTE

PATROCÍNIO: MATER DEI, COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PATROCÍNIO MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO: patrocinada com recursos do Fundo Internacional de Ajuda para Organizações de Cultura e Educação 2021 do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV, FORTE FILMES, NAYMOVIE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND(Alemanha), NUEVAS MIRADAS – EICTV(Cuba), BIOBIOCINE(Chile), CONECTA – CHILE DOC(Chile),  MAFF(Espanha), DOCSP(Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR(Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH / PROJETO PARADISO(Brasil)

APOIO: CAFÉ 3 CORAÇÕES.

REALIZAÇÃO: UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO| GOVERNO FEDERAL