INQUIETAÇÕES COM O MUNDO E BUSCA PELA DESDRAMATIZAÇÃO SÃO ANALISADOS POR DIRETORES COM FILMES EM EXIBIÇÃO NA MOSTRA

20211001 – 15ª CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte – Brasil Cinemundi – 12th International Coproduction Meeting – Encontro com os Realizadores Pedro Tavares e Fabio Andrade – Foto: Reprodução/Universo Produção

Na Roda de Conversa dessa sexta-feira, os realizadores Pedro Tavares (“Cena do Crime”) e Fábio Andrade (“Construção de uma Vista” e “Contorno”) conversaram com Marcelo Miranda, um dos curadores da 15ª CineBH, sobre seus filmes, em exibição na mostra. Os três trabalhos foram feitos em contexto de isolamento e pandemia, ainda que o filme de Pedro tenha surgido como projeto anteriormente. Apesar de distintos, os trabalhos têm pontos de contato na inquietação dos realizadores em colocarem em xeque o estatuto das imagens e de suas supostas “verdades”.

Em “Cena do Crime”, Pedro Tavares faz uma espécie de anti-filme policial, desdramatizando as situações típicas de uma história do gênero e se utilizando de dispositivos e equipamentos de registro eletrônico espalhados pelo cenário. “Em tempo de saturação de imagens e de conteúdo, aumentada pelo isolamento e pela quantidade de filmes que a gente tem acesso, pensei em fazer um contraponto que levasse à banalização completa da imagem e a um esgarçamento do tempo”, disse o cineasta.

Para chegar à rarefação percebida em “Cena do Crime”, Tavares não trabalhou a partir de um roteiro, e sim de uma planilha de Excel, o que gerou “uma relação muito fria com os personagens e na construção do espaço”. O resultado é um suspense em que o enredo fica em segundo plano, ainda que os acontecimentos essenciais do mistério estejam na tela.

Mistério, aliás, é o que move Fábio Andrade na feitura de seus curtas-metragens, casos de “Construção de uma Vista” e “Contorno”. “Eu não faço filmes para expressar exatamente uma ideia que já tenho, e sim para decodificar e entender o mistério de uma imagem. É a posição de espectador que eu assumo diante de algo que acontece e, uma vez ali, testemunhando com uma câmera, quero entender, desdobrar e fabular sobre esse acontecimento misterioso”, contou.

Os dois curtas de Andrade têm produção doméstica, ora filmando uma avenida vista de uma janela, ora a água de uma praia. “Estou tentando mais desvelar do que revelar camadas de acontecimento que não estão no plano visível e precisam ser suscitadas por algum tipo de intervenção”. As questões políticas também surgem no processo, em especial na relação das imagens com quem as vê. “Meus filmes estão preocupados com a política das imagens, da relação do espectador com o que está diante dele. Não cabe ao filme apaziguar as tensões, e sim potencializá-las por mais tempo possível”.

Tanto Fábio Andrade quanto Pedro Tavares atuam também como críticos de cinema, experiência que inevitavelmente levam para as criações. “Tanto na crítica quanto na realização sempre me interessa o fenômeno artístico: algo que não existia antes passa a existir e mexe conosco”, diz Andrade. Para Tavares, a pesquisa crítica o ajudou a chegar em alguns conteúdos (como o conceito de “terceiro cinema” da teórica francesa Nicole Brenez) que o alimentaram no desenvolvimento de “Cena do Crime”.

SOBRE A MOSTRA CINEBH

Com edições anuais e consecutivas, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, o evento de cinema da capital mineira, chega a sua 15a edição de 28 de setembro a 03 de outubro de 2021, em formato online e gratuita, reafirmando seu propósito de mostrar o cinema para o mundo, promover o diálogo entre as culturas, aproximar povos e continentes, fazer a conexão do cinema brasileiro com o mercado audiovisual, realizar encontros de negócios, investir na formação, intercâmbio e cooperação internacional, construir pontes nas escolas, comunidades, redes sociais e com a cidade de Belo Horizonte e Minas Gerais.

A 15a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte e o 12o Brasil CineMundiintegram o Cinema sem Fronteiras 2021 – programa internacional de audiovisual idealizado pela Universo Produção e que reúne também a Mostra de Cinema de Tiradentes (centrada na produção contemporânea, em janeiro) e a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto (que difunde o audiovisual como patrimônio e ferramenta de educação, em junho).

SERVIÇO

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

ESTE EVENTO É REALIZADO COM RECURSOS DA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DE BELO HORIZONTE

PATROCÍNIO: MATER DEI, COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PATROCÍNIO MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO: patrocinada com recursos do Fundo Internacional de Ajuda para Organizações de Cultura e Educação 2021 do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV, FORTE FILMES, NAYMOVIE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND(Alemanha), NUEVAS MIRADAS – EICTV(Cuba), BIOBIOCINE(Chile), CONECTA – CHILE DOC(Chile),  MAFF(Espanha), DOCSP(Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR(Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH / PROJETO PARADISO(Brasil)

APOIO: CAFÉ 3 CORAÇÕES.

REALIZAÇÃO: UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO| GOVERNO FEDERAL