SESSÕES COMENTADAS E FILMES EM PRÉ-ESTREIA NACIONAL ESTÃO ENTRE AS ATRAÇÕES CINEMATOGRÁFICAS DESTA SEXTA-FEIRA

Até o dia 3 de outubro, data em que se encerra a 15a CineBH, cinéfilos de todo o mundo terão a oportunidade de acompanhar gratuitamente 95 filmes nacionais e internacionais, em pré-estreias e mostras temáticas, vindos de 12 estados do Brasil e de 17 países. Para isso, basta escolher as produções disponíveis e assistir na tela de preferência, já que o evento acontece em ambiente virtual pelo site www.cinebh.com.br.

Nesta sexta-feira, dia 1º de outubro, a seleção fílmica indicada pela curadoria é composta por ficções, animação, desktop documentário e muito mais. Confira abaixo as dicas cinematográficas da equipe curatorial da 15a CineBH!

Longas-metragens

Mostra Diálogos Históricos: nesta sexta, o destaque apontado pela curadoria é um clássico do expressionismo alemão, “O testamento do Dr. Mabuse”, do diretor Fritz Lang. Em 1933, Lang dirigiu a ficção, sua segunda incursão no universo de um personagem criado em 1922 em “Mabuse, o Jogador”. Nessa sequência, o cineasta volta a retratar um dos maiores personagens do cinema ocidental, figura monstruosa e maquiavélica cujo maior desejo é justamente dominar sem ser visto. Para isso, Mabuse cria todo tipo de conspiração e manipulação e promove labirintos mentais perturbadores para aprisionar as vítimas de seus ataques. Grande metáfora do nazifascismo já ascendente na época (Hitler, inclusive, subiu ao poder no mesmo ano de lançamento do filme), “O Testamento do Dr.Mabuse” ilustra a ideia de que o mal não se acumula num único indivíduo, e sim ganha capilaridade quanto mais pessoas adotam suas práticas.

Após a exibição do filme, a sessão é comentada pelo escritor e crítico de cinema convidado Inácio Araújo, com mediação do curador Francis Vogner dos Reis.

Mostra temática: dois longas estão em evidência nesta sexta. Em pré-estreia nacional, o desktop documentário “Canções Engarrafas 1-4”, dos diretores Chloé Galibert – Lainé e Kevin B. Lee. Selecionado para o Festival de Roterdã (2021), trata-se de um filme-ensaio na forma de troca de cartas entre os cineastas no qual os artistas visuais destrincham os aspectos formais e as estratégias discursivas de um vídeo de propaganda do Estado Islâmico, amplamente difundido na internet. A obra propõe uma visão histórica das estratégias da propaganda fílmica e discute a complexidade das formas narrativas e dos meios de difusão.

Já o documentário “Não haverá mais noite”, dirigido por Eléonore Weber foi feito a partir de imagens captadas por helicópteros em missões de guerra no Afeganistão, Iraque e Paquistão. Neste filme, a diretora recolhe e reorganiza imagens para construir um retrato horripilante e revelador do novo “teatro de guerra”. Este filme está com acesso disponível por 48 horas – de 20:00 de 01/10 até 20:00 de 03/10.

No sábado, 2 de outubro, às 10 horas, o público poderá acompanhar uma Roda de Conversa ao vivo, com a diretora do filme no site oficial da CineBH – www.cinebh.com.br.

Sessão CineMundi: A dica da equipe curatorial para esta sexta-feira é aproveitar a oportunidade imperdível para conferir dois longas-metragens em pré-estreia nacional. Ambas produções selecionadas terãoacesso disponível por 48 horas – das 18 horas do dia 1º de outubro até as 18horas do dia 3 de outubro.

O primeiro é “Desterro”, uma coprodução Brasil/Argentina/Portugal, da diretora Maria Clara Escobar. Integrante da “Tiger Competition” do Festival Internacional de Cinema de Roterdã (2020), o filme constrói, com uma narrativa poética, uma atmosfera de corpos em desencontro, desconforto e desencaixe com o que é esperado deles.

O segundo é “Todos os mortos”, dirigido por Caetano Gotardo e Marco Dutra. Premiado na competição oficial do “Berlinale” – Festival Internacional de Cinema de Berlim (2020) e vencedor em diferentes categorias no Festival de Cinema de Gramado (2020), a obra mostra, na São Paulo de 1899, mulheres que, entre o passado conturbado do Brasil e seu presente fraturado, tentam construir um futuro próprio.

Mostra Contemporânea Internacional: nome recorrente na CineBH, o cineasta Khalik Allah apresenta nesta 15a   edição do evento o documentário “Eu ando sobre a água”, em pré-estreia nacional. O diretorfaz um mergulho afetivo e profundo na vivência de moradores de rua do Harlem, em Nova York, ao mesmo tempo em que trata de si mesmo, sua relação com pessoas próximas (os pais, a namorada) e de que maneira tudo isso se relaciona ao filme que está sendo feito. Khalik Allah propõe uma investigação ampla, cuidadosa e hipnotizante de suas angústias, transfiguradas numa construção poética singular.

Mostra Contemporânea Brasil: Empré-estreia nacional, “Nós passarinhos” é o primeiro longa-metragem do movimento chamado Cinema Instantâneo, o qual o diretor Antônio Fargoni pesquisa um cinema mais prático, acessível e popular. Fargoni realizou o filme praticamente sozinho, assumindo todas as funções, e tinha como equipamento uma câmera Sony A7III, uma lente 50mm, um tripé e um microfone conectado à câmera. O filme foi realizado durante a pandemia e mostra a cidade fechada e personagens encerradas em suas casas. A produção pode ser vista como uma ficção com efeito de documentário ou um documentário com estratégias de ficção. É um testemunho imaginativo sobre a pandemia.

Curtas-metragens

Para esta sexta-feira, o público é convidado a prestigiar 10 curtas-metragens, divididos entre as Mostras “Contemporânea Brasil” e “Cidade em Movimento”. Confira a seguir os destaques indicados pela equipe curatorial da 15a CineBH.

Mostra Contemporânea Brasil: Coloca em evidência a sessão “Geometrias do espaço” composta por filmes que experimentam com suas imagens e sons partindo de uma relação livre e atenta entre a imagem (o plano, a foto, o fragmento de arquivo, a música) e a montagem. A sofisticação dessas produções é partir do estado elementar da matéria cinematográfica e, na montagem, relacionar a síntese à expansão. Integram esse recorte os curtas “A8”, de Lúcio Branco; “Construção de uma vista”, do diretor Fábio Andrade; “Sem título #7: RARA”, de Carlos Adriano; “Contorno”, dirigido por Fábio Andrade e “Floresta Espírito”, da cineasta Clara Chroma.

Mostra A Cidade em Movimento: os espectadores terão a oportunidade de conferir a sessão “Contrapoder” com cinco curtas que observam e denunciam os planos de destituição e subtração das vidas praticados pelo Estado neoliberal e suas megacorporações e instituições. Na animação “Dinheiro”, de Sávio Leite e Arthur B.Senra, histórias que o papel-moeda pode contar. Em Cidade Analógica”, de Eduardo DW e Álvaro Starling, a poesia convoca a cidade a mostrar seus contrastes. O documentário “[O Vazio que Atravessa]”, de Fernando Moreira, acompanha histórias de vida em meio ao crime ambiental de Brumadinho. Em Opção do Tomo”, de Antônio Beirão Xavier, imagens do transporte de minério atravessa desabafos de moradores da região ameaçada pela mineração. “O Resto”, de Pedro Gonçalves Ribeiro, conta a história da senhora Iolanda Bambirra, declarada morta por engano, que vive como um fantasma em Belo Horizonte, uma cidade em ruínas e sem vestígios do tempo.

A partir das 19 horas, será realizada, no site oficial do evento www.cinebh.com.br, uma Roda de Conversa ao vivo com a presença de todos os diretores dos curtas que compõem a sessão “Contrapoder” e participação especial de Carolina de Moura, defensora dos Direitos Humanos e da Natureza, Movimento pela preservação da Serra do Gandarela (MG).

SOBRE A MOSTRA CINEBH

Com edições anuais e consecutivas, a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte, o evento de cinema da capital mineira, chega a sua 15a edição de 28 de setembro a 03 de outubro de 2021, em formato online e gratuita, reafirmando seu propósito de mostrar o cinema para o mundo, promover o diálogo entre as culturas, aproximar povos e continentes, fazer a conexão do cinema brasileiro com o mercado audiovisual, realizar encontros de negócios, investir na formação, intercâmbio e cooperação internacional, construir pontes nas escolas, comunidades, redes sociais e com a cidade de Belo Horizonte e Minas Gerais.

A 15a CineBH – Mostra Internacional de Cinema de Belo Horizonte e o 12o Brasil CineMundi integram o Cinema sem Fronteiras 2021 – programa internacional de audiovisual idealizado pela Universo Produção e que reúne também a Mostra de Cinema de Tiradentes (centrada na produção contemporânea, em janeiro) e a CineOP – Mostra de Cinema de Ouro Preto (que difunde o audiovisual como patrimônio e ferramenta de educação, em junho).

SERVIÇO

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

ESTE EVENTO É REALIZADO COM RECURSOS DA LEI MUNICIPAL DE INCENTIVO À CULTURA DE BELO HORIZONTE

PATROCÍNIO: MATER DEI, COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PATROCÍNIO MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO: patrocinada com recursos do Fundo Internacional de Ajuda para Organizações de Cultura e Educação 2021 do Ministério das Relações Exteriores da República Federal da Alemanha, do Goethe-Institut e de outros parceiros: www.goethe.de/hilfsfonds

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV, FORTE FILMES, NAYMOVIE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND(Alemanha), NUEVAS MIRADAS – EICTV(Cuba), BIOBIOCINE(Chile), CONECTA – CHILE DOC(Chile),  MAFF(Espanha), DOCSP(Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR(Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH / PROJETO PARADISO(Brasil)

APOIO: CAFÉ 3 CORAÇÕES.

REALIZAÇÃO: UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO| GOVERNO FEDERAL