PANDEMIA CRIATIVA NAS TELAS E NO DEBATE DA MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO

A Cidade em Movimento é uma das mostras da 14ª CineBH. A curadora Paula Kimo selecionou 16 filmes – média e curtas independentes que dialogam com a vivência urbana diante de contextos sociais. A seleção teve como tema “Sonhar a cidade” e levou em conta o cenário imposto pelo novo Coronavírus. As produções podem ser assistidas até 2 de novembro no site cinebh.com.br.

Nesta sexta-feira, dia 30 de outubro, a mostra apresentará olhares e reflexões sobre isolamento social no centro urbano. Esta sessão, chamada “Pandemia Criativa” reúne oito filmes: “Destino”, de Matheus Gepeto; “Presa”, de Joana Bentes; “Vem vindo alguém, será?”, de Luis Evo; “Aqui, nem eu”, de Gustavo Aguiar, Gustavo Koncht, Raiana Viana e Maria Flor de Maio; “Cidade sem mar”, de Felipe Nepomuceno; “O menino e o gato”, Célio Dutra; “Submundo”, de Adriano Gomez e “Vigília”, de Rafael dos Santos Rocha. 

Produzidos durante a pandemia da Covid-19 na cidade de Belo Horizonte, os curtas nos convidam a pensar sobre os limites e as possibilidades de criação audiovisual no contexto de isolamento social. Para além da produção audiovisual no ambiente doméstico, as imagens também nos mostram as resistências que transitam e ocupam a cidade apesar do vírus.

Às 19 horas, será realizada a Roda de Conversa “Pandemia Criativa”. O bate-papo virtual contará com a participação de todos os diretores dos oitos curtas selecionados e do crítico e pesquisador de cinema João Paulo Campos – Mestre e doutorando em Antropologia na USP, redator da revista de cinema Rocinante (MG), programador do coletivo cineclubista cinefronteira (MG), editor da Zagaia em Revista (SP) e integrante do grupo de programadores do cinecubo IAB-SP. A mediação será de David Maurity – ator, apresentador e dramaturgo.

Sinopse dos filmes 

“Vem Vindo Alguém, Será?” – Direção: Luís Evo

Vem vindo alguém ali, será? se passa no centro de Belo Horizonte e mostra a professora aposentada Marieta Alves saindo de casa para ir ao supermercado, em tempos de quarentena.

“Vigília” – Direção: Rafael dos Santos Rocha

Neste documentário, enquanto a maior parte dos habitantes de Belo Horizonte protege-se dentro de suas casas contra a pandemia do Covid-19, um enorme contingente de pessoas é obrigado a estar nas ruas e a trabalhar. Para muitas delas a rua é muito mais que um ponto de passagem: é a própria casa. Na vivência das ruas, as recomendações sanitárias nem sempre tem condições de serem cumpridas completamente. Mas a luta e a resistência contra o vírus também acontecem de maneiras inesperadas. Edésio José da Silva, conhecido como Veizin, é um catador de material reciclado que trabalha no centro de Belo Horizonte. Por onde passa, Edésio entoa em voz alta as canções que ele inventa pelas ruas vazias da cidade.

“Submundo” – direção: Adriano Gomez

Filme experimental gravado em Belo Horizonte MG em abril de 2020. Objetivo é dar voz, a quem precisa ter voz ativa.

“O Menino e o Gato” – Direção Celio Dutra

O Menino e o Gato é um documentário produzido para o concurso da Fundação Clóvis Salgado de Curtas de Baixo Orçamento, com algumas regras, tais como duração máxima de 10 minutos e o tema norteador do contexto do isolamento na pandemia. O processo foi totalmente captado e produzido em dispositivo móvel durante alguns poucos dias. A ideia central está no registro documental das nossas relações com as telas e a tecnologia nesse momento. Para esse registro, utilizei o registro das aulas conectadas ao vivo de meu filho Samuel e partes desconexas do trabalho de minha companheira Liliana em frente a tela.

“Presa” – Diração: Joana Bentes

O videopoema foi realizado no período de isolamento social obrigatório devido à pandemia. Sua narrativa explora o aumento da violência doméstica e de feminicídio especialmente neste momento.

“Destino” – Direção: Matheus Gepeto

O curta metragem fala a respeito do encontro consigo, com o outro e com o Horizonte. O tempo e espaço misturam-se quando temos a consciência de que precisamos lutar para gerar mudanças futuras, afinal a eternidade existe no instante

“Cidade Sem Mar” – Direção: Felipe Nepomuceno

Era um garoto esquecido no quintal da própria infância.

“Aqui, Nem Eu” – Direção: Gustavo Aguiar, Gustavo Koncht, Raiana Viana, Maria Flor de Maio

Em meio a pandemia de Covid-19, Laura se recusa a atender o telefone. O que ela tenta esconder?

***

ATENÇÃO:

Como o formato do evento é digital, convidamos você para seguir a Universo Produção/CineBH/Brasil CineMundi nas redes sociais para ficar por dentro de tudo o que vai acontecer nos bastidores da CineBH e Brasil CineMundi, acompanhar a evolução e notícias dos eventos e receber conteúdos exclusivos. Canais e endereços:

Acompanhe o programa Cinema Sem Fronteiras 2020

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web: www.brasilcinemundi.com.br / www.cinebh.com.br / www.universoproducao.com.br

No Instagram: @universoproducaoNo Youtube: Universo ProduçãoNo Twitter: @universoprod

No Facebook: brasilcinemundicinebh / universoproducaoNo LinkedIn: universo-produção

Informações pelo telefone: (31) 3282-2366

***

SERVIÇO

14ª CINEBH – MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE BELO HORIZONTE 

BRASIL CINEMUNDI – 11th INTERNATIONAL COPRODUCTION MEETING 

29 de outubro a 2 de novembro de 2020

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

PATROCÍNIO: COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, GOETHE-INSTITUT, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, INSTITUTO FRANCÊS BRASIL PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV E ATELIÊ BUCARESTE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND (Alemanha), NUEVAS MIRADAS-EICTV (Cuba), BIOBIOCINE (Chile), CONECTA-CHILE DOC (Chile), MAFF (Espanha), DOCSP (Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR (Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH/PROJETO PARADISO (Brasil)

APOIO: INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL E CAFÉ 3 CORAÇÕES.

IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO:UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO | GOVERNO FEDERAL