PRIMEIRA CONVERSA DA MOSTRA A CIDADE EM MOVIMENTO DISCUTE CONFINAMENTO COMO PULSÃO EXPRESSIVA EM SITUAÇÕES ADVERSAS

Na primeira Roda de Conversa da mostra A Cidade em Movimento, reuniram-se oito realizadores que exibem filmes na sessão “Pandemia Criativa”, disponível no site da CineBH. A partir de um conjunto de trabalhos produzidos nos últimos meses, em meio ao confinamento forçado, os limites e possibilidades da criação audiovisual foram colocados à prova – especialmente para realizadores de Belo Horizonte que estão à margem dos meios oficiais de produção e filmam em seus bairros e comunidades. 

Para o pesquisador João Campos, convidado a comentar a sessão, o recorte reflete uma imagem dos tempos em que estamos vivendo. “São filmes de pouco espaço, de clausura, de interrupção do deslocamento. E também de muito desejo e imaginação ao lidar com os tempos de uma cidade enclausurada”, afirmou ele, durante a conversa. Apenas um título seria a exceção: “Vigília”, de Rafael dos Santos Rocha, que se embrenha na cidade à noite para captar, de maneira documentária e experimental, o seu personagem.

Para o diretor de “Vigília”, foi uma experiência singular poder fazer da aflição pandêmica uma maneira de se expressar. “Sempre fui privado de editais, de finaciamentos e essas coisas, pela dificuldade de acesso lá do lugar em que a gente vive. Mas aí comecei a acreditar que na quebrada podem ter pessoas que produzem perto da gente, sim”, comentou Rafael dos Santos Rocha.

A diretora Joana Bentes, de “Presa”, complementou ser fundamental encontrar uma voz particular e deixar que ela apareça, mesmo em meio às dificuldades e obstáculos. “Quando a gente se sente artista, não importa o meio que a gente encontra, ter uma única forma de expressão pode até ser insuficiente pra encontrar o que estamos buscando”. Nisso, Gustavo Aguiar, um dos realizadores do projeto coletivo “Aqui, nem Eu”, reforçou: “O processo de autoconhecimento para conseguir se expressar melhor é muito importante”.

Além da “Pandemia Criativa”, a mostra A Cidade em Movimento tem outros três recortes, com diversos filmes produzidos de forma independente em Belo Horizonte e região metropolitana. Confira toda a programação, assista aos filmes e confira os próximos convidados acessando www.cinebh.com.br.

***

ATENÇÃO:

Como o formato do evento é digital, convidamos você para seguir a Universo Produção/CineBH/Brasil CineMundi nas redes sociais para ficar por dentro de tudo o que vai acontecer nos bastidores da CineBH e Brasil CineMundi, acompanhar a evolução e notícias dos eventos e receber conteúdos exclusivos. Canais e endereços:

Acompanhe o programa Cinema Sem Fronteiras 2020

Participe da Campanha #EufaçoaMostra

Na Web: www.brasilcinemundi.com.br / www.cinebh.com.br / www.universoproducao.com.br

No Instagram: @universoproducaoNo Youtube: Universo Produção

No Twitter: @universoprod

No Facebook: brasilcinemundicinebh / universoproducaoNo LinkedIn: universo-produção

Informações pelo telefone: (31) 3282-2366

***

SERVIÇO

14ª CINEBH – MOSTRA INTERNACIONAL DE CINEMA DE BELO HORIZONTE 

BRASIL CINEMUNDI – 11th INTERNATIONAL COPRODUCTION MEETING 

29 de outubro a 2 de novembro de 2020

LEI FEDERAL DE INCENTIVO À CULTURA

PATROCÍNIO: COPASA, CEMIG | GOVERNO DE MINAS GERAIS

PARCERIA CULTURAL: SESC EM MINAS, GOETHE-INSTITUT, CASA DA MOSTRA

PARCEIROS BRASIL CINEMUNDI: EMBAIXADA DA FRANÇA NO BRASIL, INSTITUTO FRANCÊS BRASIL PARA O ESTADO DE MINAS GERAIS DOT, MISTIKA, PARATI FILMS, CTAV E ATELIÊ BUCARESTE

COOPERAÇÃO BRASIL CINEMUNDI: WORLD CINEMA FUND (Alemanha), NUEVAS MIRADAS-EICTV (Cuba), BIOBIOCINE (Chile), CONECTA-CHILE DOC (Chile), MAFF (Espanha), DOCSP (Brasil), DOCMONTEVIDEO (Uruguai), VENTANA SUR (Argentina), INSTITUTO OLGA RABINOVICH/PROJETO PARADISO (Brasil)

APOIO: INSTITUTO UNIVERSO CULTURAL E CAFÉ 3 CORAÇÕES.

IDEALIZAÇÃO E REALIZAÇÃO:UNIVERSO PRODUÇÃO

SECRETARIA ESPECIAL DE CULTURA | MINISTÉRIO DO TURISMO | GOVERNO FEDERAL