A cultura brasileira é palco de grandes transformações no Brasil e no mundo. Sempre teve papel importante nos momentos mais decisivos da nossa história.

A cultura pode propor políticas mais justas,pode aproximar nações, reduzir tensões, revitalizar as relações diplomáticas. A cultura traduz o que somos, como pensamos e aponta os caminhos que podemos seguir.

Uma sociedade consciente de sua própria cultura respeita e valoriza as suas raízes. Essa consciência só existe quando temos oportunidade de ampliar nossos horizontes e acessar os bens e a produção cultural de nossa nação. Só assim podemos criar, consumir, desenvolver e repassar a cultura às próximas gerações.

O ambiente democrático precisa de tolerância e justiça social. Precisamos ter paz e segurança no plano local, nacional e internacional para que exista o respeito mútuo entre os povos e as culturas. A diversidade cultural é um elemento fundamental para o exercício da democracia.

Nos últimos quinze anos, presenciamos um crescimento acelerado do cinema brasileiro. Assistimos ao início da implantação de uma política governamental para a cultura que criou ações de fomento e proteção ao mercado interno. Assistimos nas telas a um vigor criativo e consistente, produzido pelas novas gerações de cineastas. No entanto, esse crescimento está ameaçado.

O cinema brasileiro ganha as telas do mundo. Enquanto isso, no Brasil, ele está sendo desafiado por uma contingência política hostil, destrutiva, de aparelhamento e de censura. Estamos assistindo e vivendo um filme de terror, marcado pelo esvaziamento das políticas públicas.

O cinema brasileiro ganha destaque e premiações nos festivais internacionais e enfrenta, no Brasil, a falta de legitimidade no seu próprio mercado. Nossos filmes passam despercebidos e não têm garantia de exibição no circuito comercial. Fragilidades históricas não deram conta de estruturar e reagir às convenções de mercado.

Para celebrar avanços e, ao mesmo tempo, refletir o cenário atual, a 13ª mostra CineBH escolheu como temática A internacionalização do cinema brasileiro e os desafios para o futuro.  E fez um convite para a sociedade participar e pensar de forma coletiva sobre o significado do nosso tempo, em que o audiovisual está presente de forma marcante em todas as vertentes do incessante avanço tecnológico. É a mais importante linguagem, a ponta de lança da comunicação, a maior economia do século 21.

O audiovisual ocupa um lugar de inovação e expressão da criatividade.

Integra o cenário do desenvolvimento econômico, socialmente justo e sustentável.

É a indústria que mais cresce no mundo. Gera empregos, renda e negócios.

Tem uma riqueza humana que estará expressa nas telas e nos palcos desta edição.

O cinema molda o nosso olhar sobre o mundo. É necessário e vital para revelar o que nos move, o que nos faz sentir potentes. Ou para denunciar o que nos aflige e oprime.

Portanto, deve estar no plano central das grandes discussões da vida brasileira.

A 13ª mostra CineBH, o evento de cinema da capital mineira, reuniu uma seleção de 85 filmes nacionais e internacionais, em pré-estreias e mostras temáticas, que foi exibida em 43 sessões de cinema em seis dias de programação oferecida gratuitamente ao público e distribuída em cinco espaços da cidade – Fundação Clóvis Salgado, Cine Theatro Brasil Vallourec, Teatro Sesiminas, Mis Cine Santa Tereza e Sesc Palladium.

Promoveu debates, diálogos e encontros de negócios. Investiu na formação e capacitação de profissionais com a oferta de oficinas, masterclass e laboratório. Realizou o Cine-Expressão – A escola vai ao cinema, programa que beneficiou mais de 2.500 alunos e educadores da rede pública de ensino e, ainda, promoveu a Mostrinha de Cinema, dedicada ao público infanto-juvenil.

Um dos destaques da programação é a realização do Brasil Cinemundi – International Coproduction Meeting, que celebrou em 2019 10 anos de existência. Consolidado como ambiente de mercado e plataforma de rede de contatos e negócios para o cinema brasileiro, o evento faz a conexão entre a produção brasileira e a indústria audiovisual. Recebeu, nesta edição, 25 convidados nacionais e internacionais da indústria audiovisual que vieram ao evento para conhecer e fazer negócios com futuros projetos de cinema brasileiro em longa-metragem.

O evento cria pontes para dialogar e compartilhar histórias. É um espaço de formação, intercâmbio, lançamento e discussão da mais significativa produção cinematográfica atual. A cada edição renova seu compromisso de estabelecer diálogo entre as culturas, ampliar as oportunidades de negócios para o cinema brasileiro e promover a conexão de profissionais com o mercado audiovisual em intercâmbio com o mundo.

Realizar este empreendimento cultural ousado e inovador neste cenário de transições e transformações representa compromisso, responsabilidades e ações compartilhadas em que a vontade, a persistência e a determinação são ingredientes que ampliam as possibilidades de seguir acreditando na potência da nossa cultura.

Agradecimentos a presença e a participação dos profissionais do audiovisual e da cultura, imprensa, lideranças, turistas, comunidades e público em geral. Aos patrocinadores e parceiros desta edição, que investem e acreditam que a soma de esforços potencializa e contribui para o desenvolvimento econômico e a construção da cidadania em seus mais significados conceitos e efeitos multiplicadores, nossa gratidão.

O Brasil precisa de todos nós,

Clama por inclusão.

Vamos ser engrenagem nesta vida?

 

Confira a lista de premiados:

PRÊMIO BRASIL CINEMUNDI:

Projeto: “Sião”

Diretor: Bruno Ribeiro

Produtora: Joyce Prado

Empresa produtora: Oxalá Produções

 

TORINO FILM LAB

Projeto: “Terremoto Mãe”

Diretores: Will Domingos

Produtora: Aline Mazzarella

Empresa produtora: Estúdio Giz

 

PRÊMIO MAFF

Projeto: “Princesa”

Diretora: Karine Teles

Produtores: Tatiana Leite, Thiago Macêdo Correia

Empresa produtora: Bubbles Project

 

DOC MONTEVIDEO

Projeto: “Dragões da Independência”

Diretor: Miguel Ramos

Produtores: Julia Murat e Otávio de Castro Domingues

Empresa produtora: Esquina Produções Artísticas

 

DOCSP

Projeto: “Ausente”

Diretor: Ana Caroline Soares

Produtor: Denise Flores

Empresa produtora: A Itinerante Filmes

 

ENCUENTROS BIOBIOCINE 2020

Projeto: “Tempestade Ninja”

Diretor: Higor Gomes

Produtores: Bruno Greco, Jacson Dias

Empresa produtora: Ponta de Anzol Filmes

 

CONECTA – CHILE

Projeto: “É Tudo Parente”

Diretor: Mariana Fagundes

Produtor: André Hallak

Empresa produtora: Noctua Ideias e Conteúdo

 

PRÊMIO INCUBADORA PARADISO 2020

Projeto: “Tempestade Ninja”

Diretor: Higor Gomes

Produtor: Bruno Greco, Jacson Dias

Roteirista: Higor Gomes

Empresa produtora:

 

FOCO MINAS

Projeto: “Ausente”

Diretor: Ana Caroline Soares

Produtora: Denise Flores

Empresa produtora: A Itinerante Filmes